foto_site_menor_cópia.gif
Política e informações da região com credibilidade
  • Jarbas Vieira

As metas de Acélio Casagrande, novo secretário da Saúde!


O novo secretário de Estado da Saúde, Acélio Casagrande (PMDB), tomou posse nesta segunda-feira, 22, e falou com a imprensa sobre os projetos e ações para 2018 à frente da pasta. O ortopedista Marcelo Lemos dos Reis será o secretário adjunto e trabalhará com Casagrande para reduzir custos, otimizar recursos e regionalizar a Saúde. As nomeações foram publicadas no Diário Oficial 20.693, de 19/01/2018. Acélio Casagrande retorna à casa com um grande desafio. “Temos linhas definidas de trabalho e estamos ainda montando a equipe que buscará os resultados conosco. Nossa prioridade é efetivar a regionalização da Saúde, tirar as ambulâncias das estradas, organizar os serviços em cada região do estado, vocacionar os hospitais. Para isso, vamos fazer o Plano Diretor de Regionalização Regional (PDR), que é um plano emergencial com critérios rígidos daquilo que os hospitais e municípios podem oferecer”, explica Casagrande. Aliado a isso, as secretarias municipais de Saúde serão chamadas para um grande trabalho de prevenção. “Não adianta só tratar o doente. Precisamos trabalhar a prevenção, evitando que o paciente com diabetes não chegue descompensado nos hospitais e nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). Será um trabalho de interação com programas específicos e de excelência com integração dos sistemas”, fala o secretário. O avanço da Telemedicina foi outro tema tratado. “Vamos continuar desenvolvendo a Telemedicina para que nosso plano de regionalização se fortaleça. Onde as pessoas consigam ser atendidas nas suas regiões e o médico consiga ter um parecer rápido pelo especialista”, cita Casagrande.

Perguntas da imprensa

Imprensa: Como colocar em prática esse plano ousado em tão pouco tempo?

Acélio: Estamos trabalhando com indicadores e criando programas. Com este diagnóstico de quem vem para a capital ou quem sai do estado para ser atendido, podemos atuar pontualmente em cada região, de acordo com suas necessidades. O tempo é curto, mas a equipe é boa e trabalharemos muito.

Imprensa: Qual o valor do orçamento da saúde em 2018?

Acélio: Segundo a Secretaria de Estado da Fazenda, o orçamento da Saúde para esse ano é de R$ 2,7 bilhões, ou seja, 14% da aplicação mínima em Saúde do governo catarinense. Por mês, é em torno de R$ 220 milhões. É importante lembrar que, desse montante, R$ 105 milhões é para o pagamento da folha de pessoal da Secretaria de Estado da Saúde (SES). Vamos trabalhar com muita transparência.

Imprensa: E quanto à judicialização da Saúde?

Acélio: Dentro desses R$ 2,7 bilhões, tem uma previsão de R$ 200 milhões que devem ser gastos com a judicialização. Vamos pedir muita colaboração dos médicos para tentar diminuir isto, para podermos investir em outras áreas como a prevenção, por exemplo. É muito mais caro atender dentro do hospital que fazendo a prevenção nas unidades de saúde.

Imprensa: Marcelo, enquanto diretor do Hospital Celso Ramos e superintendente dos Hospitais Públicos, o senhor vinha realizando ações importantes para a Saúde. Quais serão as estratégias de trabalho como secretário adjunto?

Marcelo: Na Superintendência dos Hospitais Públicos, atuei fortemente na integração de todos os sistemas dentro dos hospitais próprios. Falava-se muito em perda de controle de medicação, de prontuários, e nós estamos informatizando todos os hospitais da SES. Queremos levar esta integração também para fora da rede de hospitais próprios. Os hospitais filantrópicos têm uma contribuição de mais de 70% de todo o atendimento de Santa Catarina. Outra ação é integrar os prontuários médicos. Atualmente, o prontuário em Santa Catarina não é único. Isso seria de grande valia para os pacientes, pois em qualquer lugar do território catarinense o paciente teria um único prontuário. Isso diminuiria o excesso de pedidos de exames para o mesmo objetivo, otimizando recursos e atendimento.

Imprensa: Qual o valor da dívida da Secretaria de Estado da Saúde atualmente?

Acélio: Vamos aguardar o Tribunal de Contas do Estado oficializar a secretaria sobre o relatório da dívida. Após isso, faremos uma análise de item por item. Os técnicos da SES fizeram um levantamento e chegou-se no valor em torno de R$ 700 milhões. Se o Tribunal de Contas apresentar R$ 1 bilhão, certamente será uma análise muito bem feita e aguardaremos a recomendação do órgão para a liquidez disto.

Imprensa: Como ficará o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu)?

Acélio: Sou simpático ao trabalho do Samu em parceria com o Corpo de Bombeiros. Está marcada para a próxima semana uma reunião entre a nossa secretaria e o Corpo de Bombeiros para ajustar essa cogestão. Hoje, o que vem de recursos do Ministério da Saúde para o Samu é R$ 1,8 milhão por mês, enquanto o contrato é de R$ 9 milhões. Estamos fazendo de tudo para dar uma equacionada nisto.


Sombrio saneamento
Sombrio saneamento

press to zoom
Fabrica de Sonhos
Fabrica de Sonhos

press to zoom
construshop.jpg
construshop.jpg

press to zoom
Sombrio saneamento
Sombrio saneamento

press to zoom
1/3
Ortobom
Ortobom

press to zoom
Fazae
Fazae

press to zoom
Ortobom
Ortobom

press to zoom
1/2
WhatsApp Image 2022-12-01 at 10.41.47.jpeg