Política e informações da região com credibilidade
  • Jarbas Vieira

Municípios receberão “Programa Viver sem Violência” voltado às mulheres rurais


A Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de Araranguá, por meio da gerência de planejamento regional e apoio a políticas públicas, promoveu na manhã desta segunda-feira, 18, no auditório da ADR, uma reunião preparatória para a vinda à Região do Extremo-Sul da unidade móvel do Programa Viver Sem Violência/ Mulheres e Cidadania. A reunião de trabalho foi coordenada pela gerente de planejamento regional e apoio a políticas públicas da ADR, Dione Helena Ramos Cesa, com a presença da coordenadora estadual da Mulher da Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habilitação, Aretusa Larroyd, que apresentou o programa aos convidados. Participaram do encontro representantes de diversos setores dos Municípios da Região que estarão envolvidos na ação entre os dias 6 a 11 de novembro, entre eles Araranguá, Balneário Arroio do Silva, Balneário Gaivota, Maracajá e Sombrio (que segundo dados do IBGE de 2015, foram os que mais tiveram casos de violência contra a mulher).

Escritório itinerante

Aretusa explica que o programa está ligado ao enfrentamento da violência contra a mulher que vive no campo. “O ônibus lilás, arrojado e adaptado, é na verdade um escritório itinerante, que chega nos locais distantes dos centros urbanos, oportunizando atendimento individualizado a estas mulheres da área rural”, comentou. Para Dione Cesa, esta será uma importante ação, por meio da parceria entre governos Federal, Estadual e Municipal, que envolverá profissionais de diversos setores, como setor social, de saúde, área jurídica, entre outras, além de parceiros como Polícia Civil, Sindicato Rural e Epagri, com intuito de levar conhecimento e informação nos seis dias em que percorrerá a Região. Aretusa destacou a preocupação com o crescente número de feminicídio (homicídios decorrentes de violência doméstica) no Estado, e salientou que o Programa permanente leva, por exemplo, conhecimento sobre a Lei nº 11.340, denominada Lei Maria da Penha. “O programa é um divisor de águas. Ele traz a oportunidade de acolhida, e não de julgamento”, concluiu a coordenadora Estadual da Mulher. Os serviços que serão oferecidos e os locais onde a unidade móvel estará estacionada serão definidos nos próximos dias pela comissão organizadora dos Municípios.


Jarbas Vieira 2016
Todos os direitos reservados
Comercial: (48) 3533-3192 / (48) 99966-5326